A inspeção de vídeo é um processo que consiste na introdução de um tubo ótico nas tubagens para realizar o diagnóstico de anomalias mediante a visualização do seu interior. Sem este processo, em muitas situações, seria impossível promover a identificação e a localização do problema para compreender a sua origem.

Este tipo de procedimento pode ser feito com um vasto leque de câmaras de vídeo, pensadas para se adaptar a circunstâncias distintas, como a extensão e o diâmetro da rede de esgotos.
Este procedimento não costuma ser realizado em casos de entupimento, já que o próprio entupimento impede a visualização eficaz do interior do cano e que o material de inspeção é bastante sensível, podendo ser danificado neste tipo de circunstância, o que quase todos os técnicos tentam evitar.

Embora não seja utilizado para o processo de desentupir o cano, após a realização destes desentupimentos, é frequentemente feita uma inspeção de vídeo, que visa garantir que não ficaram resíduos que possam degenerar novos entupimentos e compreender se não existem outros ramais imprevistos nas estruturas ou impedimentos causados por amolgamentos, curvas acentuadas, desníveis insuficientes ou tubos mal encaixados. Esta posterior análise ajudará a garantir que o desentupimento é duradouro.

O mapeamento das redes de esgoto são outra razão que pode levar-nos a recorrer ao vídeo, uma vez que não existe outra forma de saber por onde passam os canos e as caixas de esgoto. Frequentemente inacessíveis para manutenção e dissimuladas pelo passar dos anos ou por obras de remodelação, estas podem acabar por entupir, sem que seja possível identificar ramais e caixas respetivas de outra forma. Muitas vezes, após a identificação da sua localização, poderá ser necessário abrir as caixas, ainda que isto implique constrangimentos como partir mosaicos.

Também em manutenções exteriores e visto que acontece, com frequência, o amolgar de canos por ação de movimentações de terras, do peso de estruturas ou das raízes das árvores, o vídeo também é a única forma de identificar a localização do problema e permitir que se saiba a localização do problema, para substituir a tubagem parcialmente na zona afetada, abrindo uma vala nesse local.

Embora muitos dos trabalhos sejam realizados com uma inspeção de vídeo com câmara de empurrão, existem outras alternativas como a inspeção de vídeo robotizada com recurso a uma câmara de alta resolução e cabeça rotativa. Este sistema é o mais adequado para canos de diâmetro mais elevado, sendo necessário que exista uma caixa com pelo menos 50×50 cm para que esta ferramenta possa ser introduzida. O sistema desta câmara permite que se faça um relatório de alta precisão, essencial para orientar a reabilitação robotizada de tubagens.